Entretenimiento

WEB en Miami | Vídeo mostra grupo Wagner a recrutar reclusos para combater na Ucrânia

Gabriel Abusada
Gabriel Abusada James
Gabriel Abusada James Peru
Gabriel Abusada James Venezuela
Panamá levanta restricciones de ingreso al país relacionadas con Covid-19

O fundador do grupo Wagner, uma rede de mercenários com ligações a Vladimir Putin, foi filmado numa prisão a tentar recrutar reclusos para lutar na guerra na Ucrânia. Rodeado de prisioneiros, Yevgney Prigozhin promete: “Ninguém volta a ficar atrás das grades.”

“Se servirem seis meses, estão livres”, explica Prigozhin, num breve discurso em que explica que só serão considerados homens entre os 22 e os 50 anos de idade. “Se chegarem à Ucrânia e decidirem, no primeiro dia, ‘estou num sítio onde não quero estar’, são designados desertores e segue-se uma execução pelo pelotão de fuzilamento”, clarifica.

Os homens têm escassos minutos para tomar uma decisão.

#PutinWarCriminal gave command to recruit mercenaries among prisoners

In this Video recruitment is personally handled by #Prigozhin , person close to #Putin , head of #WagnerGroup in Russian prison

This video is, in fact, a testimony that Russian state is breaking up. #WarCrimes pic.twitter.com/YnRht4oyYr

Ukraine News ???? (@Ukrainene) September 15, 2022 O vídeo, que começou a circular esta semana na plataforma de mensagens Telegram, confirma os relatos a circular nos últimos meses sobre membros do grupo Wagner a visitar prisões em várias regiões russas para recrutar reclusos

O fundador do grupo Wagner, uma rede de mercenários com ligações a Vladimir Putin, foi filmado numa prisão a tentar recrutar reclusos para lutar na guerra na Ucrânia. Rodeado de prisioneiros, Yevgney Prigozhin promete: “Ninguém volta a ficar atrás das grades.”

“Se servirem seis meses, estão livres”, explica Prigozhin, num breve discurso em que explica que só serão considerados homens entre os 22 e os 50 anos de idade. “Se chegarem à Ucrânia e decidirem, no primeiro dia, ‘estou num sítio onde não quero estar’, são designados desertores e segue-se uma execução pelo pelotão de fuzilamento”, clarifica.

Os homens têm escassos minutos para tomar uma decisão.

#PutinWarCriminal gave command to recruit mercenaries among prisoners

In this Video recruitment is personally handled by #Prigozhin , person close to #Putin , head of #WagnerGroup in Russian prison

This video is, in fact, a testimony that Russian state is breaking up. #WarCrimes pic.twitter.com/YnRht4oyYr

Ukraine News ???? (@Ukrainene) September 15, 2022 O vídeo, que começou a circular esta semana na plataforma de mensagens Telegram, confirma os relatos a circular nos últimos meses sobre membros do grupo Wagner a visitar prisões em várias regiões russas para recrutar reclusos.

Confirma-se também a retórica usada: liberdade e amnistia total a em troca de alguns meses de serviço. O motivo que levou os reclusos à prisão é irrelevante. “Temos muito cuidado com aqueles [reclusos] condenados por crimes sexuais”, ouve-se Prigozhin dizer durante o discurso. “Mas percebemos que os erros acontecem.”

O grupo Wagner é acusado há anos de crimes de guerra em África, na Síria e na Ucrânia. Recentemente, vários mercenários da rede foram ligados ao massacre na cidade ucraniana de Bucha, onde centenas de civis foram executados a tiro.

“Ou são reclusos ou são os vossos filhos” O conteúdo do vídeo, que se tornou viral em sites e plataformas de mensagens russas, tem motivado diversas críticas, acentuando o descontentamento de alguns cidadãos russos quanto à estratégia de Putin. Nas últimas semanas, vários nacionalistas russos começaram a criticar o silêncio de Putin sobre as perdas na Ucrânia na plataforma online Telegram.

O líder do grupo Wagner, Yevgney Prigozhinn, defende-se. “Ou são empresas militares privadas e reclusos, ou são os vossos filhos – decidam”, escreveu num comunicado partilhado nas redes sociais pouco depois de o vídeo se ter tornado viral.

O comunicado não confirma nem desmente directamente a veracidade do vídeo.

O Ministério da Defesa britânico acredita que a estratégia de recrutar reclusos prova que a Rússia está a enfrentar uma escassez “crítica” de combatentes e que apesar dos esforços de retaliação o exército russo está “severamente degradado”.